terça-feira, 11 de julho de 2017

Aprendendo Orientação

"Você bilíngue"

O slogan é da escola de idiomas Wizard, mas bem que podia ser da Autidó.
Porque aprender orientação é decifrar o idioma, o idioma que nos localiza no espaço geográfico.
A parte central desta "língua" é a leitura de mapas. A Autidó tem um curso para aprender a ler uma carta topográfica.

O Curso têm 4 módulos:

  • O primeiro é o mais importante de todos: o Treinamento Inicial. O principal objetivo é utilizar as técnicas de leitura de mapas. O aprendizado deste módulo já habilita o indivíduo a participar de uma prova de Orientação na categoria novato.
  • O módulo de Modelado do Terreno foca a leitura do mapa quanto às forma do relevo. Aqui se aprende a ler como as curvas de nível mostram a 3ª dimensão do terreno.
  • O módulo de Bússola ensina sobre este importante acessório de orientação. Na primeira fase, o aprendizado é de operação do aparelho, enquanto a fase seguinte explora a tática de uso da bússola.
  • E, finalmente, a apresentação sobre o esporte. Neste módulo, a instituição Orientação é caracterizada pela suas regras, federações, clubes e competições.
O leitor deve observar que por vezes a palavra "orientação" está escrita com a inicial maiúscula, para diferenciar quando esta atividade se refere ao esporte Orientação. Pois este curso transmite os conhecimentos universais de orientação por meio do aprendizado lúdico do esporte Orientação.
Esta é a razão de esta metodologia ser a preconizada pela Confederação Brasileira de Orientação, com o Curso de Iniciação ao Esporte Orientação homologado pela Federação Paulista de Orientação.
O Curso dota o indivíduo de conhecimentos suficientes para a navegação com mapas topográficos. Se o conhecimento for para o desenvolvimento no esporte Orientação, o atleta já poderá ousar participar de pistas difíceis (nível B) e, com mais experiência, até das pistas tecnicamente muito difíceis (nível A).
Fonte: https://busofhope.files.wordpress.com

terça-feira, 20 de junho de 2017

A Bússola de Orientação

Uma bússola de Orientação e uma de Trekking: qual escolher?

Fonte: estranhanoparaiso.com.br
Viu-se, em um post anterior, que uma determinada construção das bússolas é mais adequada a atividades outdoor, como o Trekking e o esporte Orientação.
Dentro desta categoria de bússolas, algumas são desenhadas especificamente para atender às demandas do esporte Orientação. Isso porque, diferentemente do Trekking, a Orientação é uma competição em que o desempenho do atleta está relacionado ao menor tempo de execução da pista. A arquitetura do aparelho contempla o uso durante a corrida, de forma que o atleta não perca tempo no seu manuseio.
Para entender melhor as singularidades das bússolas de Orientação, questionamos três das maiores companhias mundiais produtoras de bússolas: a russa Moscompass, a finlandesa Suunto e a sueca Silva.

Autidó - O que diferencia a bússola de Orientação dos outros tipos de bússola?

Moscompass - A bússola de Orientação tem a imantação da agulha mais forte e um sistema adicional de estabilização. Você pode usar esta bússola durante a corrida. Ela permanecerá estável e rápida.
 
Suunto - A bússola de orientação tem características próprias, começando pelo líquido em seu interior e sua base feita em material plástico transparente que quando apoiada sobre um mapa facilita sua visualização e orientação. No caso das bússolas de orientação Suunto, foi patenteado invento desenvolvido por seu fundador, Tuomas Vohlonen, um líquido que diminui o atrito excessivo e evitava-se o congelamento em temperaturas negativas, o que gerava grande vantagem às tropas finlandesas no período de guerra em relação às tropas inimigas. O modelo usado em 1935 pelas Forças Armadas Finlandesas era o M-34. As bússolas da Suunto também são equipadas com lente, ampliando e facilitando a leitura e algumas delas com pontos luminosos, o que facilita a orientação noturna ou em cavernas.

SilvaA marca Silva foi fundada em 1933 na Suécia e é renomada mundialmente pela qualidade de suas bússolas, que se destacam pela estabilidade, rapidez e precisão.


Autidó - Por que eu deveria comprar a sua bússola e não a dos seus concorrentes?

Moscompass - A Moscompass é a líder de inovação na fabricação de bússolas. Silva e Suunto têm qualidade similar para os modelos top, mas seus preços são muito maiores.

Suunto - A marca Suunto é sinônimo de qualidade na fabricação de instrumentos de precisão. As bússolas de orientação Suunto, feitas à mão na Finlândia a 80 anos, tem garantia vitalícia, exceto se constatado mal-uso.

Silva - De uma maneira geral as bússolas podem ser divididas conforme a finalidade de seu uso. Basicamente, temos as recomendadas para iniciação, as profissionais (para mapeamento e atividades específicas) e as de competição (principalmente as de dedo).


Autidó - Onde eu posso comprar sua bússola no Brasil?

Moscompass - Nós temos dois parceiros no Brasil: orientista.com.br e bioimpedance.com.br. Também se pode pedir pela nossa loja virtual https://www.all4o.com/orienteering-compasses/thumb-compasses. Mas preste atenção no balanceamento. Poucos modelos Moscompass são balanceados para a região do Brasil.

Suunto - São diversas revendas que trabalham com bússolas e instrumentos de precisão SUUNTO, podem ser localizadas no link www.suunto.com/revendasbrasil ou diretamente na web Page www.suunto-br.com
 
Silva - Como distribuidores da marca atendemos somente pessoas jurídicas. Não fornecemos para o consumidor final, para estes recomendamos lojas como a Orientista (www.orientista.com.br)



Agradecimentos a Juris Dzenitis (Moscompass), Rogério Rocha (Suunto) e Ana Paula Arend (Silva).

terça-feira, 6 de junho de 2017

A Bússola

 Como escolher uma bússola para Orientação ou trekking?

Todas as bússolas que existem têm uma coisa em comum: uma agulha imantada. Nem sempre com o formato de uma "agulha" ou de uma seta.
Estas bússolas aeronáuticas do início do século XX, por exemplo, têm a agulha em formato de disco.
fonte: http://compassmuseum.com/
O importante é que a bússola nos faça "enxergar" o campo eletromagnético da Terra por intermédio da sua "agulha", seja em que formato for.

Para o esporte de Orientação e para um trekking, é essencial que esta bússola esteja em contato permanente com a carta, que ela possa "sentar" sobre o mapa. A bússola aeronáutica, por exemplo, não faz isso.

E para não perder nenhum detalhe desse mapa, é preferível que as bússolas de Orientação e trekking sejam predominantemente transparente, exatamente como não é essa bússola israelense.
fonte: http://compassmuseum.com/

 

Assim, ...

... o formato preferível de uma bússola para a Orientação ou para o trekking é com uma agulha imantada destacando o lado norte e o sul, depositada numa caixa transparente e sobre uma base também transparente. Esta base permite o contato pleno com o mapa, além de conter réguas que auxiliam o seu portador a fazer medições cartográficas.

Abaixo, estão exemplos de bússolas adequadas para a prática do esporte Orientação e do trekking.
Estão expostas uma peça de cada uma das gigantes produtoras de bússolas para essas atividades: Silva, Suunto e Moscompass.

Fonte: www.silva.se
Fonte: www.suunto.com
Fonte: www.net-market.cz

Perguntamos para as três grandes o que diferencia uma bússola de Orientação e de trekking.
Mas isso fica para a próxima postagem.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Festa de Gala


Luzes, brilho e emoção


O tapete vermelho foi estendido na festa de conclusão do Curso de Iniciação ao Esporte Orientação neste domingo, dia 02 de abril de 2017. A cerimônia de muito glamour teve a participação de personalidades do esporte e o desfile de beldades, além de representantes de quase todos os órgãos da mídia internacional. Os artistas estavam estavam envergando belas peças de vestuário com o corte requintado dos melhores designers de moda do mundo. Tudo regado com a melhor champagne para comemorar essa data especial.

Só que não!

A entrega dos certificados do Curso foi logo após uma pista de Orientação. Quer festa melhor?
Bem, o tapete era verde. Os vestuários não eram tão requintados, mas eram confortáveis chinelos para descansar os pés depois de uma corridinha. Ah!! Troca champagne por melancia.
De resto, tudo igual. Tinha até mídia!
O Curso de  Iniciação ao Esporte Orientação é uma atividade preconizada pela Confederação Brasileira de Orientação e apoiada pela Federação Paulista. O objetivo geral é dotar o atleta das técnicas básicas de navegação no terreno e das práticas fundamentais para a participação em competições do esporte.

A Autidó elaborou o Curso em 4 etapas:
- Uma palestra sobre a institucionalização da Orientação no Brasil e no mundo.
- Leitura de mapas (Treinamento Inicial)
- Leitura das curvas de nível (Modelado do Terreno)
- Uso da bússola (operação e tática)

Esta turma de novos orientistas detém os conhecimentos básicos para o desenvolvimento das técnicas de orientação e dominam a prática do esporte com segurança. São eles:
Guilherme Schnekenberg Martins
Isabel Cristina Viégas Guion
Laura Rodrigues Xavier
Lucas Colla Martins
Lucas dias Andreatta
Mario Andre Quinalha

Aí estão as fotos da festa de gala, em Itapetininga.👇👇👇👇








quarta-feira, 22 de março de 2017

As Categorias na Orientação

O princípio da competição justa.

Um esporte, para ser esporte, tem competição. Que seja contra outra pessoa, por um índice, contra o relógio. A competição enseja uma disputa. E para que essa disputa seja o mais próximo de algo que a sociedade entende como justo, criam-se as categorias de competição.
Para entender as categorias no esporte Orientação, vamos considerar três divisões gerais dos atletas.

Divisão por sexo Os atletas são divididos em homem e mulher, ou seja, uma mulher nunca estará numa disputa com um homem. Podem até estar fazendo a mesma pista (sem saber). Mas o resultado do homem vai sair numa lista e o da mulher em outra. Para simplificar, a categoria masculina é designada pela letra "H" e a feminina por ... Se você achou que era "M", enganou-se. A letra para as mulheres é "D" de "damas" (há quem diga que é de "divas").

Divisão por idade Os atletas são fatiados por idade. Assim, quem tem 50 anos não vai disputar um mesmo troféu com alguém de 18, apesar de eles estarem fazendo, eventualmente, a mesma pista. A divisão por idade tem oito níveis, assinalados abaixo. Cada nível também tem letras indicativas. Veja:

Idade
Categoria
Indicativo
até 12 anos
Infantil
I
de 13 a 16 anos
Juvenil
J
de 17 a 20 anos
Júnior
JU
qualquer idade
Adulto
A
de 35 a 44 anos
Master
M
de 45 a 54 anos
Sênior
S
de 55 a 64 anos
Veterano
V
acima de 65 anos
VIP
VI

Tem uma regrinha universal para se inscrever de acordo com a idade: faz de conta que o seu aniversário é dia 1º de janeiro. Mesmo que você faça aniversário no dia 31 de dezembro, você estará na categoria certa. Considere isso ao se inscrever na próxima etapa do Campor, em Itapetiniga (02 de abril).

Divisão por nível técnico Não adianta, o componente intelectual é muito presente na Orientação, a ponto de não ser justo colocar um novato no esporte para disputar com um experiente. O nível pleno de técnica é a categoria "A", cujas pistas são consideradas "muito  difícil". Deste nível sai a "nata" da Orientação, aqueles que vão disputar os campeonatos mundiais, representar o clube no mais alto nível, são a elite da Orientação. Daí, são separados e tem uma letra designativa "E". Do outro lado, temos os novatos, acabaram de chegar no esporte, passando por um breve treinamento. São da categoria "N". Finalmente, existe a categoria "B" de pista "difícil", uma transição entre a "N e a "A". Recapitulando, do mais simples para o mais complexo: N - B - A - E.

Vamos exemplificar toda essa salada de letras com um caso hipotético:

Sou mulher
Dama - D




+

Tenho 18 anos
Sou Júnior




+

Já tenho um pouco de prática
Dá pra ir no B




D Júnior B

=
              
  DJUB      A sua categoria
              


 Há, ainda, mais seis categorias. São destinadas àquelas pessoas que querem fazer a acompanhadas:
- HN1 e DN1 para indivíduos até 10 anos;
- HN2 e DN2, de 10 a 14 anos; e
- HN3 e DN3, acima de 15 anos.
Essas categorias são normalmente usadas para se levar alguém para conhecer uma pista de Orientação. Quem vai conhecer a pista estará inscrito numa dessas categorias e terá direito ao acompanhante. O primeiro recebe a carta, o outro não. Os horários de partida dessa categoria não são marcados.
Aproveitando o exemplo da atleta acima, DJUB, ela inscreveu o irmãozinho dela de 12 anos na HN2 para, depois que ela terminar a pista, levá-lo para conhecer uma pista de Orientação (pista que tem nível técnico "N").

O Campeonato Paulista ainda tem duas categoria a mais e diferentes. São as duplas, DPA e DPM. A primeira é para duas pessoas inscritas, de qualquer sexo, com mais de 16 anos. A outra, para menos de 16. Também são pista nível N. Geralmente, quem vai nessas é porque está, ainda, muito inseguro. E, sempre depois que termina, descobre que poderia ter feito essa pista sozinho.

Duas diferenças e uma semelhança entre o acompanhado e a dupla. As diferenças são que, no acompanhado, apenas um se inscreve e não há horário definido de partida; nas duplas, dois se inscrevem (ambos recebem carta) e a dupla tem horário definido de partida. A semelhança é que não concorrem a premiação final do Campeonato.

Mais alguns detalhes.
- A elite só tem para Adulto (A), Juvenil (J) e Júnior (JU).
- Tem o nível técnico N para todas as categorias.
- O Infantil (I) não corre no nível técnico A.
- São 63 categorias no Campeonato Paulista.

Agora, é só se inscrever na Etapa do Campeonato Paulista de Orientação.

Vamos encontrar qual a sua categoria?
Poste aqui no blog, nos comentários abaixo, qual a sopa de letrinhas que define a sua categoria (DVIB, HVA, DJE,HJN, ..., qual?). Se quiser, exponha seu cálculo (como aquele ali em cima). Aproveite para tirar dúvidas.